[Opinião] Rosinda Teixeira, cá estamos para contar a sua história

Ana Isabel Silva CRÓNICAS/OPINIÃO

Muitos trabalhadores tirsenses sonharam e lutaram por uma revolução que nos levasse à democracia. Nestes homens e mulheres há lutadores e lutadoras mas também há vítimas. Rosinda Teixeira foi assassinada a 21 de maio de 1976 em São Martinho do Campo. Foi vítima das bombas da extrema-direita, estas frequentemente financiadas por industriais assustados com os movimentos operários.

Numa cidade como Santo Tirso, que escolheu homenagear com nomes de ruas, tantos industriais, parece-nos de especial curiosidade que os trabalhadores que construíram o legado dessas empresas não entrem na história e na nossa memória coletiva. Termos uma rua chamada Rosinda Teixeira seria a homenagem a todos os resistentes antifascistas e também a todos e todas que lutaram por melhores condições laborais nas empresas do nosso concelho. Rosinda é também o nome de uma mulher, numa cidade onde a esmagadora maioria das ruas têm nomes masculinos.

“Retirar este nome da toponímia tirsense não é uma tentativa de apagar ou reescrever a nossa história, mas sim de alterarmos quem escolhemos homenagear e sobre que nomes queremos pôr as nossas crianças e jovens a falar”

Santo Tirso é ainda um dos poucos concelhos do país com uma rua chamada Doutor Oliveira Salazar. Retirar este nome da toponímia tirsense não é uma tentativa de apagar ou reescrever a nossa história, mas sim de alterarmos quem escolhemos homenagear e sobre de que e que nomes queremos por as nossas crianças e jovens a falar e investigar. No passado dia 22 de junho, o Bloco de Esquerda levou à Assembleia Municipal uma proposta de recomendação para que a Rua Doutor Oliveira Salazar passasse a ser nomeada de Rua Rosinda Teixeira. A proposta foi chumbada com a abstenção do PSD e – para maior dos espantos – votos contra do PS. Diz o Partido Socialista que tal assunto apenas deverá ser discutido na próxima revisão da toponímia. De realçar que a o voto a favor da proposta de recomendação não iria interferir com a discussão na revisão da toponímia e iria, pelo contrário, mostrar a concordância com a medida. Mesmo assim, o PS não se mostrou disponível para aprovar a recomendação.

Mais tarde, pressionado pela comunicação social nacional o Partido Socialista admite a inclusão do nome Rosinda Teixeira numa rua da cidade. Há dias nos quais a luta traz resultados. Pode ser uma medida simbólica, mas quando tivermos uma placa com este nome numa das nossas ruas, mostraremos a todos e todas as trabalhadoras da nossa cidade que também merecem ser homenageados e que a sua luta na vida conta para a nossa comunidade. Mostramos que há mulheres lutadoras no nosso concelho e que cá estamos para contar a sua história de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

2 + four =