[Crónica] Pode alguém ser quem não é?

CRÓNICAS/OPINIÃO Fátima Pacheco

No final da semana passada participei de um encontro organizado por uma universidade denominada de Universidade Livre Pampédia.

A primeira parte do encontro foi de intensa reflexão sobre fé, diálogo e mudança no mundo. O Brasil como país continental que é, congrega uma imensidade de crenças, cultos e rituais que refletem a religiosidade existente no mundo. Escutei um franciscano, uma monja, um sheik e um espírita e cada qual foi apresentando seu modo de ver e se ver no mundo. A manifestação do respeito foi muito grande e passaram uma mensagem de paz, que o mundo hoje tanto precisa. Pena que o pastor metodista não conseguiu estar presente, assim como o rabino que por ser shabbat não poderia ter obrigações profissionais dado vez que esses dias são dedicados exclusivamente ao equilíbrio da harmonia das famílias com Deus.

Após uma apresentação musical e um bom repasto, a segunda parte do encontro trouxe ao publico presente a partilha de estudos sobre o trabalho de pessoas que ao longo da história fizeram a diferença na educação. O tema era: A escola pede socorro: como nossas inspirações podem nos acudir? Num momento politico tão conturbado como o que se está passando neste lado do hemisfério foi muito importante apercebermo-nos do quão maravilhoso é o universo educativo e, mesmo com todas as vicissitudes, saber o quanto cada educador pode fazer a diferença na vida dos seus alunos.

Em oposição no dia seguinte aconteceu uma aberração em Brasília. Grupos de pessoas fizeram uma manifestação pró-armas e um dos congressistas presente afirmou que “não tem diferença de um «professor doutrinador» para um traficante”. Então, precisamos mesmo todos de pensar o que será que escolas, igrejas e outras instituições poderão ajudar para que não se eduquem pessoas que só exalam ódio e intolerância.

E como pode alguém ser quem não é mantenho a fé inabalável que a mudança no mundo está nas nossas mãos, porque todos nós fazemos parte de instituições que podem ajudar na transformação deste um mundo que está cada vez mais agressivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

2 + 11 =