‘Colossal’: O novo rock português ouve-se no antigo matadouro de Santo Tirso

Paraguaii
Os Paraguaii, nome forte para a noite de sábado. 

O Festival Colossal, promovido pela Alarido – associação cultural, decorre durante sexta e sábado, 23 e 24 de março. As hostilidades começam às 22h30.

Este fim de semana, Santo Tirso vai andar como que entre Deus e o Diabo. Se a sua preferência tender mais para o lado deste último, então dirija-se ao antigo matadouro da cidade. É aí que terá lugar, nas noites de 23 e 24 de março, a primeira edição do Festival Colossal, iniciativa promovida pela associação cultural Alarido (de Vila das Aves) que, com o apoio da Câmara Municipal, vai abrir portas ao rock alternativo português e à eletrónica, num espaço que alia a arquitetura à natureza.

 

O edifício do antigo matadouro ou futura Casa da Juventude será então o palco para as atuações de Nu, El Señor, The Lazy Faithful, Psychtrus, Sunflowers e Paraguaii (na foto). Os três primeiros atuam na noite de sexta-feira, os restantes no sábado, em ambos os casos a partir das 22h30. Num e noutro dia, a partir da 1h30, entram em cena os Djs da Alínea A, Peter Mor e Filipe Gonçalves.

“O Colossal é uma explosão de vontades. Lançamo-nos para recuperar um edifício histórico com a ajuda das máquinas políticas e comerciais do concelho. Usamos todos os materiais usados que estavam no edifício para construir uma estética para o festival. E, por fim” – refere o presidente da Alarido, Daniel Leal Machado – “chamamos grandes bandas do rock alternativo português para dar a jarda sonora a estas paredes”.

Os bilhetes, com o custo de 5 euros, sendo que para os dois dias há um passe geral no valor de 8 euros, com descontos para quem apresentar cartão jovem, podendo ser adquiridos no recinto do evento.